Banner Topo

Página inicial Home

Área do Associado            

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Colunas

Guilherme Veiga Chaves

Advogado


Juizado Especial pode julgar causas acima de 40 salários mínimos

Publicado em: 13/05/2011

Em decisão histórica, o Superior Tribunal de Justiça definiu que o Juizado Especial pode julgar causas acima de 40 salários mínimos. Esse precedente atinge diretamente milhares de consumidores que deixavam de ingressar com ação nos Juizados quando o valor da causa excedia o “limite” previsto na Lei dos Juizados Especiais.

O entendimento que prevalecia, até então, era que, nos Juizados Especiais, as causas ficavam limitadas ao teto de 40 salários mínimos, conforme previsto no artigo 3º, I, IV e §3º, da Lei nº 9.099/95

O Superior Tribunal de Justiça tem por função interpretar a Lei Federal e, analisando um recurso originário de ação que envolvia indenização por danos materiais e morais com condenação no valor de R$ 180.000,00, decorrente de acidente de trânsito julgada pelo Juizado Especial, promoveu interpretação extensiva ao art. 3º da Lei 9099/55 (Lei dos Juizados Especiais), definindo que é válida a condenação mesmo sendo superior aos 40 salários mínimos.

No seu voto, a ministra Nancy Andrighi, Relatora do Recurso em Mandado de Segurança nº 30.170 - SC (2009⁄0152008-1), assim se posicionou:

[...] salvo na hipótese do art. 3º, IV, estabelecida a competência do Juizado Especial com base na matéria, é perfeitamente admissível que o pedido exceda o limite de 40 salários mínimos.

[...]

Ao analisar essa questão, assim consignei, juntamente com o Ministro Sidnei Beneti, em sede doutrinária:

Assim, para a nova Lei, a expressão “menor complexidade” compreende causas que não ultrapassem o valor de quarenta salários mínimos, bem como aquelas que, pela matéria discutida, não encerrem grau de dificuldade para o processo e julgamento. Por isso, toda vez que fixada a competência pelo critério da matéria, não haverá submissão ao valor limite de quarenta salários mínimos, pois, repita-se, quando o direito objeto do conflito não envolve complexidade, poderá tramitar perante a Justiça Especial independentemente de seu valor” (Juizados Especiais Cíveis e Criminais. Belo Horizonte: Del Rey. 1996, p.26).

Corroborando esse entendimento, o inciso II do art. 275 do CPC consigna expressamente o cabimento do procedimento sumário “qualquer que seja o valor”. Ademais, não subsiste o fundamento de que esse dispositivo estaria a impor uma divisão na competência para processar e julgar as ações enumeradas no referido inciso II, isto é, até 40 salários mínimos adotar-se-ia o procedimento do Juizado Especial e, acima desse valor, a competência passaria a ser da Justiça Comum, pelo procedimento sumário. Essa interpretação não se coaduna com o mandamento constitucional de tratamento isonômico do cidadão no acesso ao Judiciário, pelo qual se resguarda ao jurisdicionado o direito de optar livremente entre o Juizado Especial e a Justiça Comum.

Por fim, quanto à previsão contida no § 3º do art. 3º, de “renúncia ao crédito excedente”, é evidente que esse dispositivo se aplica apenas ao critério valorativo de fixação da competência, tanto que a norma faz referência ao “limite estabelecido” no artigo (sem destaque no original).

[...]

Na espécie, tendo em vista que a ação principal discute acidente de veículo de via terrestre, hipótese prevista no art. 275, II, “d”, do CPC e, por conseguinte, abrangida pelo art. 3º, II, da Lei 9.099⁄95, não vejo impedimento a que o Juizado Especial Cível da Comarca de Bom Retiro condenasse o recorrente ao pagamento de indenização em montante superior a 40 salários mínimos.

O Ministro Massami Uyeda, acompanhando o posicionamento inaugurado pela Ministra Nancy, proferiu o seguinte voto-vista:

Então, se o Juizado, o escopo da criação do Juizado foi exatamente proporcionar essa oportunidade, abrir ocasiões para que toda a nacionalidade possa buscar um provimento jurisdicional, que era muito dificultado nos casos do Juizado Comum, não podemos fazer essa distinção. Sempre tivemos - também desde o primeiro momento estou envolvido com a questão, mesmo já ao tempo anterior ao Juizado de Pequenas Causas, atuo desde a época do chamado Juizado Informal de Conciliação, que era o germe, que deu início ao Juizado de Pequenas Causas -, sempre foi uma preocupação de todos nós como efetivar, concretamente, o desejo que a sociedade tinha e tem de obter uma justiça mais célere, mais rápida.

Assim, o Superior Tribunal de Justiça definiu que o Juizado Especial pode julgar causas acima de 40 salários mínimos.


Confira abaixo outros textos deste colunista

» Vício na informação de produto ofertado à venda e o prazo para reclamar

» Devedor solidário. Uma escolha do consumidor contra quem quer litigar

» A simples venda de automóvel não invalida o seguro do carro.

» O prazo prescricional para pedir Indenização pelo extravio de bagagem em voo internacional.

FNECDC

Linha Grossa

Tarja Coluna

Linha Fina

Diego Braz
Os cuidados na compra de um imóvel na planta


Linha Grossa

Tarja Coluna

Linha Fina

José Carlos Barbosa
Sem o videogame, mas com a alma lavada


Linha Grossa

TV ADECCON

ADVOGADO DA ADECCON PARTICIPA DE PROGAMA NA TV ALEPE

Linha Grossa

NEWSLETTER

Preencha os campos abaixo para ficar sempre informado sobre nossas novidades.

Nome:

E-mail:

Linha Grossa

Tarja Coluna

Você acha válido, na compra de um produto, optar pela garantia estendida?

Sim

Não

Não conheço como funciona o serviço

Rua do Riachuelo, 105 - Sala: 219 - Ed. Círculo Católico - Boa Vista, Recife-PE | Fone: (81) 3222.6066
Copyright © 2006 - ADECCON. Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Artini Lemos